logo gsc

Blog Caetano

Trabalhar no estrangeiro: porque não?

“Trabalhar” e “estrangeiro”, são palavras que praticamente desde sempre andam de braço dado. Esta é uma realidade que faz parte do dia a dia de cada um de nós, que trabalha, trabalhou ou, em última instância, conhece alguém que optou por trabalhar no estrangeiro.

A mesma comparação poderíamos fazer entre “Portugal” e “emigrantes”. Trabalhar no estrangeiro está já no ADN dos habitantes do nosso pequeno país, que nunca temeram arriscar, descobrir e desafiarem-se fora de portas. Aliás, não haverá um cantinho do mundo onde não exista um(a) português(a), não é verdade?

Se para uns, trabalhar no estrangeiro trata-se do último recurso na procura pela estabilidade, melhores salários ou oportunidades, para outros, trata-se de uma necessidade pessoal, na busca por novos desafios, culturas e experiências.

Esta última opção tem vindo a ganhar cada vez mais força. Ao mesmo tempo que se constrói uma carreira internacional, contacta-se com realidades que naturalmente não seriam possíveis sem sair daquilo a que muitos chamam de zona de conforto. Assim, deixamos a pergunta:

O que pode esperar quem procura a experiência de trabalhar no estrangeiro?

Damos algumas respostas:

1. Vivenciar uma nova cultura

Conhecer e contactar com novas culturas é, sem qualquer dúvida, um dos grandes benefícios de trabalhar no exterior e, porventura, a grande motivação para quem o quer fazer. A possibilidade de experienciar e acostumar-se a novos hábitos, conhecer novos costumes, gastronomia e conhecer novas Pessoas e as suas particularidades, é muito daquilo que pode esperar quem arrisca a trabalhar no estrangeiro.

2. Tornar-se mais independente

Por mais que seja a independência que cada um de nós usufrui no seu dia a dia, viver fora de portas obriga-nos a alcançar todo um novo experiencial de vida que, até então e por razões naturais, nunca havíamos contactado. Mesmo que já tenha deixado a casa dos pais há alguns anos, o tenha feito durante a faculdade ou, por motivos profissionais, tenha trocado de cidade, certo é que nada se compara àquilo que é viver num novo país. Estar imerso numa cultura diferente à nossa, com uma língua que não é a nossa, e com rostos que nunca se cruzaram com o seu, é uma verdadeira experiência. Não concorda?

3. Fazer novos amigos

E por falar em rostos que nunca se cruzaram com o seu. Trabalhar no estrangeiro é também sinónimo de novas e boas amizades. A ausência da família e dos amigos com quem nos habituamos a crescer e partilhar os nossos dias, fazem com que nos entreguemos a novas relações de amizade e, muito provavelmente, com Pessoas, também elas, um pouco de todo o mundo. Ora, é por isso natural que se criem verdadeiras famílias – multiculturais, claro – com amizades que ficarão para a vida.

4. Conhecer-se melhor

Tendemos a achar que ninguém nos conhece melhor que nós próprios, e até pode ser verdade. Mas, e se há muito mais cá dentro para lá daquilo que sabemos? Trabalhar no estrangeiro, vai provar-lhe que sim. Ainda tem muito a descobrir sobre si mesmo(a).

É natural que com tantas mudanças, acabe por conhecer-se melhor. Vivermos num novo contexto faz-nos descobrir coisas sobre nós mesmos, ou até desenvolver competências e habilidades que nem sabíamos ser capazes.

5. Enriquecimento do Currículo

Não há dúvidas quanto aos múltiplos ganhos que uma experiência de trabalho no exterior nos pode oferecer, mas o currículo é, sem dúvida, um dos que mais beneficia com essa vivência. Trabalhar no estrangeiro vai demonstrar que tem uma predisposição natural para enfrentar desafios, para arriscar e, claro, colocar-se à prova e relacionar-se com outras Pessoas e culturas. Para o seu progresso profissional, fatores como estes, serão uma importante mais-valia e um precioso fator de diferenciação face aos demais.

Trabalhar no estrangeiro

Por certo que todas estas experiências o deixaram, pelo menos, a imaginar o cenário de viver além-fronteiras. Contudo, se mais do que imaginar, este é um desejo que vem alimentando há já algum tempo, deve ter em conta alguns critérios para dar segurança à sua decisão. Afinal de contas, por mais gratificante que possa ser a experiência de trabalhar no estrangeiro, deve ser bem ponderada antes de tomar a decisão final. Por isso:

– Pense sobre quais os verdadeiros motivos que o levam a querer abraçar essa mudança.
– Pesquise. Muito! Sobre o possível destino, o tipo de trabalho e também todas as questões legais inerentes a essa mudança de ares.
– Procure e contacte com outras Pessoas que o fizeram antes de si. Saiba quais as dificuldades, desafios e opinião acerca da experiência delas no destino que procura para trabalhar.

Se depois de percorrer as várias etapas, continua cada vez mais certo que essa é a decisão certa, vá! Arrisque-se a ser feliz e a viver uma experiência que ficará para a vida.

Deste lado, damos-lhe já uma ajuda. Se trabalhar no estrangeiro está nos seus planos, a Salvador Caetano oferece-lhe a possibilidade de integrar o nosso Programa de Mobilidade Internacional e trabalhar num dos três continentes onde marcamos presença.

Arrisque-se a ser feliz, connosco!